Sexualidade

Sexo sem tabu: pesquisa revela preferência por troca de casais

Por Redação Doutíssima 28/09/2015

A prática de swing, caracterizada pela transa com troca de casais ou grupal, representa um dos estilos favoritos de relacionamento para os brasileiros. Em uma pesquisa divulgada pela rede social Sexlog, no início de setembro, 28% dos 25 mil usuários entrevistados apontaram gostar mais desse estilo de transa, um sexo sem tabu.

O levantamento teve por objetivo descobrir as preferências sexuais dos brasileiros, analisando também seus maiores estímulos, sua relação com a camisinha e seus acessórios preferidos para a masturbação e o sexo. Para isso, foram consultados usuários homo, trans e heterossexuais cadastrados na rede. O documento ganhou o nome de “Mapa do sexo”.

sexo sem tabu - doutissima - iStock

Troca de casais foi apontada como prática favorita em uma pesquisa brasileira. Foto: iStock, Getty Images

Sexo sem tabu: swing é fetiche

Um dos dados mais expressivos em relação à pesquisa se refere à prática do swing, caracterizada pela poligamia sexual. Ela ocorre quando dois casais com relacionamento monogâmico apimentam a relação transando com outros casais, fazendo uma troca entre parceiros no sexo grupal.

Os dados da pesquisa sugerem que 28% dos 25 mil usuários preferem o sexo grupal, com troca de cônjuges. Assim, a modalidade foi apontada como o estilo de transa preferido. O sexo selvagem ocupou o segundo lugar, representado a preferência de 25% deles, seguido de perto pelo sexo romântico, com 24%.

Outras informações relevantes da pesquisa se referem ao orgasmo. Cerca de 75% dos usuários consultados apontaram que têm pelo menos um orgasmo por dia. Em relação aos itens indispensáveis para o sexo, o lubrificante pode ser citado como o principal, pois é usado por 78% dos entrevistados.

O vibrador aparece em seguida como um dos acessórios requisitados para facilitar o orgasmo. O item é utilizado por 50% dos usuários. O levantamento referente ao uso da camisinha aponta que os modelos em látex ultrafino são os preferidos de 69% das pessoas consultadas.

Sobre as preliminares, a pesquisa apontou que os entrevistados não dispensam o beijo na boca, o estímulo no clitóris, as lambidas no mamilo e os tapas no bumbum. Entre as posições sexuais mais comuns, aparecem o sexo de quatro, a mulher em cima e a mulher embaixo.

Como praticar o swing?

Se você se interessa pelo swing, mas não entende muito bem como funciona a prática, vale a pena seguir algumas dicas. O primeiro passo é abrir a mente para a modalidade, conversar abertamente com o seu parceiro ou sua parceira para verificar se ambos estão dispostos a apimentar a relação dessa forma.

Atualmente, há possibilidade de o casal frequentar uma casa de swing – local destinado exclusivamente à troca sexual entre casais e que dispõe da estrutura necessária para isso. Também é possível se cadastrar através da internet, em sites especializados. Mas antes de se submeter às opções, é interessante buscar referências sobre os locais e portais.

Para não cair em ciladas, é importante que o swing seja feito em um ambiente especial e que garanta uma boa experiência ao casal. Na dúvida, nada impede que a prática seja combinada em um motel. Além disso, o lado psicológico precisa estar bem preparado: o ciúme deve ficar fora da cama.

 

 

 

E você, o que pensa sobre o sexo sem tabu? Deixe um comentário com a sua opinião sobre este artigo!

 

ostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar! 


Sites parceiros