[the_ad_group id="16401"]
Remédios Caseiros

Cambará: aprenda a fazer remédios caseiros

Por Redação Doutíssima 18/01/2015

A folha de cambará é uma das principais plantas medicinais descobertas e amplamente aplicadas no combate a diversos tipos de doenças. É uma das maravilhas pesquisadas ao longo dos tempos e usadas desde povos antigos, índios e por famílias que utilizam receitas de seus ancestrais.

Os princípios ativos da folha de cambará são óleo essencial, taninos, mucilagens e alcaloides. Entre as propriedades medicinais da planta, estão seu poder balsâmico, diurético, estimulante, estomacal, expectorante, sudorífero, tônico e tônico pulmonar.

Cambará

Entre as maiores propriedades da planta está o combate a dores abdminais. Foto: iStock, Getty Images

Cambará para o aparelho respiratório

 

O cambará é indicado para tratamento de afecções pulmonares, asma, bronquite, dor de ouvido, espasmo, febre, peitoral, reumatismo, tosse, vias respiratórias. Acredita-se que o talo, folhas e flores, em chá, são eficiente no tratamento de alergias e infecções respiratórias. Por isso, o chá do cambará é usado contra gripe, asma, bronquite, resfriado e tosse.

Tradicionalmente, as folhas da planta são usadas para combater dores abdominais, respiratórias e obstrução nasal. Nas pesquisas feitas com o cambará, partes do intestino de uma cobaia foram retiradas e simuladas cólicas intestinais com mediadores químicos produzidos pelo organismo humano.

Na sequência, foi aplicado extrato da folha da planta. O resultado foi uma ação antiespasmódica maior no intestino. Com pesquisa foi comprovada então, cientificamente, a eficiência da erva no combate a doenças abdominais e respiratórias.

Há, entretanto, em andamento, uma outra pesquisa que busca provar se o extrato do cambará é ou não tóxico e depois fazer testes em humanos para analisar possíveis efeitos colaterais do uso da planta.

Como fazer o chá de cambará

 

Para fazer o seu chá de cambará você vai precisar de 1 colher (sopa) da erva, em um litro de água. Leve ao fogo e quando levantar fervura desligue, cubra, e mantenha em infusão por cerca de dez minutos. O chá pode ser tomado morno ou frio no máximo três vezes por dia.

Para uso como expectorante nas afecções das vias respiratórias, tosses, bronquites, resfriados, catarro, rouquidão, asmas e coqueluches e estados febris também pode ser feito um xarope da planta. Coloque em um pilão 2 colheres (sopa) de flores e 2 de folhas frescas. Amasse bem e acrescente uma xícara de água fervente.

Misture bem e coe. Em seguida, leve ao fogo com 2 xícaras de açúcar cristal e deixe dissolver bem o açúcar. Tome 1 colher (sopa) até 3 vezes ao dia. Para crianças use a metade da dose.

No uso contra reumatismo, contusões, dores nas juntas e dores musculares, aplique em compressas no lugar afetado 3 colheres (sopa) de folhas frescas fatiadas em 1 copo de água em fervura. Deixe ferver por 5 minutos e coe. Aplique ainda morno.

Contra dores reumáticas, a receita é simples: em um pilão, coloque 2 colheres (sopa) de folhas e flores frescas. Amasse bem, até adquirir uma consistência pastosa. Coloque a pasta em uma gaze e aplique nos locais afetados 2 vezes ao dia, deixando agir por 1 hora ou durante a noite toda.

É importante lembrar que os frutos, que podem ser ingeridos quando maduros, são considerados tóxicos quando ainda verdes.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]