[the_ad_group id="16401"]
Remédios Caseiros

Tuia: aprenda a fazer remédios caseiros

Por Redação Doutíssima 21/01/2015

No Brasil ela é conhecida como pinheiro de cemitério, árvore-da-vida, cedrinho ou ciprestes. Sua origem divide-se entre europeia e norte-americana. A tuia é uma árvore de troncos retos e folhagem verde-escamosa.

Árvore frondosa, de ramos folhosos mais ou menos horizontais e com copa no formato de pirâmide, tem crescimento lento e pode atingir até 20 metros de altura. É bastante usada para decorar ambientes, especialmente nas festas natalinas.

tuia

Conhecida como cedrinho, a tuia também é usada em decorações natalinas. Fotos: iStock, Getty Images

Tuia era usada para purificar o ar

 

Uma curiosidade sobre a planta é que os ameríndios usavam a tuia para aliviar dores de cabeça, febre e reumatismo e também queimavam seus galhos, acreditando que esta defumação purificava o ar.

É extremamente rústica, não requer cuidados especiais e se adapta facilmente a qualquer tipo de solo, inclusive e zonas de invernos rigorosos e prolongados, por isso é bastante usada como planta decorativa.

Contudo, não serve apenas “para bonito”. Seus princípios ativos são alfa-pineno, borneol, fenchona, flavanóides (glicosídeos de kenferol e quercetol), óleo essencial (com 60% de tuyona), taninos.

Entre as propriedades da tuia, podemos destacar: é adstringente, anti-helmíntica, anti-hemorroidal, anti-reumática, antiasmática, antiverrugosa, emenagoga e expectorante. A planta tem propriedades medicinais importantes, que auxiliam no tratamento de patologias tanto em humanos quanto em animais.

Os ramos da tuia são indicados para aplicações externas em hemorroidas e verrugas. Internamente, é consumido no auxílio ao tratamento contra a asma, transtornos menstruais e catarros.

Receitas para o uso da tuia

 

Para remover verrugas basta pingar duas gotas da essência da planta sobre a verruga durante a noite e repetir o procedimento pela manhã. O bom resultado acontece pela eficácia da tuia no tratamento contra vírus e fungos.

Para uso em verrugas, calos e olho-de-peixe, você também pode fazer uma pasta. Coloque 2 colheres de sopa de ramos novos picados em 1 xícara de chá de álcool a 70%, onde devem ficar em maceração por oito dias. Coe e misture com uma colher de glicerina. Molhe o local com água quente até amolecer bem. Depois de seco aplique a pasta.

Para efeito diurético e no tratamento da cistite, misture 1 colher (chá) de ramos novos macerados em uma xícara de água. Deixe ferver por cinco minutos. Coe e tome duas xícaras ao dia, pela manhã e no final da tarde.

Para tratar de gripes, resfriados e tosses, coloque num recipiente uma colher (chá) de ramos novos e despeje uma xícara de água fervente. Mantenha em infusão por dez minutos. Tome duas a três xícaras por dia, morno.

Para conservar a planta para uso posterior, os ramos novos, cones e cascas dos ramos devem ser expostos ao sol, em local ventilado e sem umidade. Depois de secos, os ramos devem ser armazenados em sacos de papel ou de pano, em separado e guardados em local longe da umidade.

Mas atenção, a planta é contraindicada para mulheres grávidas ou com suspeita de gravidez, pois tem efeito abortivo. Também pode causar crises em usuários de anticonvulsivantes. Não deve ser usada concomitantemente com Artemísia, Sálvia, Tanchagem, Tuya oriental, Musgos pois eles contêm tuiona, o que ofereceria risco de intoxicação.

A tuia, em qualquer apresentação, não deve ser usado com álcool por causar efeitos somatórios ao SNC.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão Doutíssima!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]