[the_ad_group id="16401"]
Especialidades

Entenda a relação da Síndrome de Conn com o aumento da pressão arterial

Por Redação Doutíssima 17/03/2015

Você já ouviu falar em Síndrome de Conn? Ela é uma doença que atinge as glândulas suprarrenais e causaprodução excessiva do hormônio aldosterona, que atua diretamente no controle da pressão arterial. Por isso, é importante conhecer e diagnosticar a condição de forma precoce.

 

A Síndrome de Conn é identificada como uma das principais origens da hipertensão arterial – que, por sua vez, é uma das principais causas de problemas cardiovasculares. Mas tenha calma: ela tem cura.

sindrome de conn

Síndrome que atinge glândulas suprarrenais pode causar aumento de pressão arterial. Foto: iStock, Getty Images

Síndrome de Conn e hipertensão arterial

O corpo humano possui uma grande quantidade de hormônios e cada um deles cumpre papéis bem específicos. Um deles é a aldosterona, que é produzida nas glândulas suprarrenais e cuja função é controlar a pressão arterial e também o metabolismo da água e do sal, favorecendo sua retenção.

O hiperaldosteronismo primário, como também é conhecida a referida síndrome, atinge as glândulas suprarrenais e causa uma produção excessiva de aldosterona. Com isso, há maior retenção de água e sal no organismo e, consequentemente, um aumento da pressão arterial.

Daí o motivo de se dizer que há uma íntima relação entre a Síndrome de Conn e o aumento da pressão arterial.

Sintomas da Síndrome de Conn

A doença não possui grande quantidade de sintomas. Muitas vezes, o único que aparece é o próprio aumento da pressão arterial.

No entanto, ela causa liberação excessiva de aldosterona no sangue e um de seus efeitos é a redução de potássio no plasma sanguíneo. Por isso, é importante ficar atento a sinais de cansaço, fraqueza muscular ou aumento da quantidade de urina, todos causados pela diminuição dos níveis de potássio no organismo.

Caso apresente esses sintomas e suspeite ser portador da doença, procure um médico endocrinologista. Trata-se do profissional mais indicado para o diagnóstico e tratamento da condição.

Como é o tratamento?

Diagnosticada a doença, é preciso descobrir quais as causas do problema. Normalmente, elas representam um tumor benigno em uma das glândulas suprarrenais, um carcinoma em tecidos vizinhos ou hiperplasia em ambas as glândulas.

Caso seja constatada a presença de tumor benigno ou carcinoma, o mais indicado é o procedimento cirúrgico para sua retirada. Por outro lado, se houver hiperplasia em ambas as glândulas ou a causa for desconhecida, indica-se o tratamento através de medicamentos que bloqueiam a ação da aldosterona e que controlam a pressão.

Em resumo, a Síndrome de Conn é uma doença grave, mas possui tratamento. Portanto, ao menor sinal de sintomas, não hesite em procurar um médico especialista.

Importância do tratamento

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), as doenças cardiovasculares se configuram como a principal causa de morte no mundo. Em 2011, por exemplo, foram responsáveis pelo óbito de 11 milhões de pessoas.

No Brasil, estatísticas do Ministério da Saúde indicam que elas são a causa de 300 mil mortes por ano, aproximadamente.

Se, no seu caso, a hipertensão arterial que leva às doenças do coração for causada apenas pela Síndrome de Conn, você conseguirá tratar e eliminar um dos grandes fatores de riscos.

 

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!


[the_ad id="14710899"]
[the_ad id="14710899"]
[the_ad_group id="16404"]