Zen

Será verdade que há riscos no yoga? Descubra

Por Redação Doutíssima 11/11/2014

São muito raros e dificilmente graves, mas existem, sim, riscos no yoga. A prática milenar surgida na Índia, que trabalha de forma harmônica o corpo e a mente, pode causar alguns problemas se não for feita da forma correta.

riscos-no-yoga

Prática tem riscos, mas eles são facilmente evitados. Foto: iStock, Getty Images

Uma lesão durante os exercícios do yoga pode surgir dependendo de várias maneiras, desde a não observação dos princípios básicos que orientam a prática até a intensidade com a qual as posições são feitas.

Como integra uma doutrina filosófica contida em textos de orientação, além da conscientização da prática gradual, poucas pessoas são expostas a riscos no yoga.

Alguns casos de contusões, distensão, entorses e estiramento muscular acontecem justamente porque as pessoas não têm noção ou não respeitam o limite de seu corpo. Ser orientado corretamente, por um iogue com experiência, é crucial para evitar esses problemas.

Cada pessoa deve sentir como funciona sua flexibilidade, uma vez que ela é o que permite manter o equilíbrio e o condicionamento necessário para realizar as posições corporais comuns dentro da prática.

Estar com a saúde em dia e não ter um histórico de problemas de articulação ou coluna, como uma hérnia, por exemplo, é um pré-requisito para evitar riscos no yoga. Se feita com cuidado, ela apresenta muito mais benefícios.

Sem contraindicações, riscos no yoga são baixos

Por não trabalhar apenas com o corpo e os riscos no yoga serem praticamente nulos, as técnicas podem ser exercidas por qualquer pessoa. O que acontece é a limitação para algumas posições. De acordo com o preparo físico, a flexibilidade e situações específicas de cada um, praticar yoga pode variar em questão de técnica.

Algumas posturas são contraindicadas para pessoas com hérnia, membros atrofiados, problemas de articulação ou respiração. No entanto, o iogue que orienta o grupo praticante será sempre responsável por trabalhar as posições adequadas para cada um.

Cadeirantes, pessoas que tiveram alguma parte do corpo amputada, paraplégicos e quem apresenta qualquer tipo de deficiência visual ou auditiva podem realizar o yoga normalmente, com um plano específico e de acordo com suas necessidades.  Já existem cintos, cadeiras e outros instrumentos próprios para tornar as posições acessíveis.

Saber o limite do seu corpo evita riscos no yoga

O corpo é o único requisito para a prática. Somente as posturas e os modos de realizá-las podem apresentar riscos no yoga. O cuidado está em cada pessoa saber dos seus problemas de saúde e suas limitações físicas.

Além disso, o iogue orientador deve ter experiência para conversar com seus seguidores e perceber as singularidades de cada um. O que diferencia o yoga de qualquer outro tipo de atividade é sua capacidade em buscar um equilíbrio entre corpo e mente através da meditação.

Quando aparecer algum tipo de desconforto no praticante de yoga, ele percebe o sinal de que algo está sendo feito de forma errada. A dor e as sensações de mal estar são um aviso para que, quem está praticando, pare aquele tipo de posição ou exercício.

O estado de plenitude, um dos objetivos que a prática do yoga busca alcançar, só é possível com corpo e mentem tranquilos.

 

 


Sites parceiros